Estudantes de Engenharia criam máquina que separa microplásticos da areia



Estudantes de Engenharia criam máquina que separa microplásticos da areia
(Foto: HoolaOne/Reprodução)


Futuros engenheiros canadenses desenvolveram um grande aspirador que retira o plástico e devolve a areia para praia



A poluição plástica é uma grave ameaça ao planeta. Toneladas de resíduos plásticos são descartadas a cada minuto no mundo, muitas vezes de forma irregular e irresponsável.



Recolher e dar uma destinação ambientalmente correta para este material é fundamental para garantir a saúde do planeta e a nossa própria saúde. Os microplásticos formados pelos resíduos que se quebram em partes cada vez menores estão em todos os lugares e acabam inclusive na nossa comida e nos nossos órgãos. Sim, estamos comendo e respirando partículas de plástico.



Outro destino da poluição plástica é o mar. Levados pelos rios e descartado de forma incorreta na costa, o material que chega aos oceanos compromete a vida marinha.



Parte da solução seria evitar que plásticos e microplásticos cheguem à água do mar. O problema é que muitas vezes os resíduos plásticos já estão tão desgastados que se tornam partes difíceis de se coletar. Mas, estudantes canadenses criam uma máquina capaz de coletar microplásticos na areia.



O equipamento, batizado de Hoola One, foi desenvolvido por 12 estudantes de engenharia da Universidad de Sherbrooke, em Quebec, no Canadá, e funciona como um grande aspirador capaz de separar a o microplástico da areia da praia.


(Foto: HoolaOne/Reprodução)



A máquina aspira a areia misturada com pedacinhos de plástico e todo o material é enviado para um tanque com água. Neste tanque acontece a separação.



Como a areia é mais pesada, ela fica no fundo. Já o plástico, flutua. Com a separação terminada, a areia volta para a praia. O microplástico é absorvido e fica em um reservatório dentro da própria máquina.


Pesquisamos muito e descobrimos que não existe uma máquina que faça este trabalho, por isso decidimos criar uma”, explica um dos criadores da Hoola One, Sam Duval.


(Foto: HoolaOne/Reprodução)



Solução inovadora de limpeza de praia


  • Praias atraentes: A presença de detritos marinhos nas praias tem consequências econômicas significativas para as comunidades costeiras. Com essa tecnologia, é possível limpar praias de forma a proporcionar à comunidade e aos turistas praias atraentes e saudáveis.


  • Restauração do ecossistema: Solução fácil para a remoção de detritos marinhos (acúmulo, derramamento de plástico, desastre natural) enquanto minimiza-se o impacto nos ecossistemas durante e após o processo de limpeza.


  • Praias mais seguras: A composição do plástico (Bisfenol A, Ftalato), bem como a absorção de outros produtos químicos, levam a um ambiente altamente tóxico para a vida selvagem e até para os humanos.



Solução customizada


O Hoola One é projetado para atender às necessidades em vários aspectos:


  • Separador de matéria

  • (plástico, orgânico, matéria, rocha, areia)

  • Coleção micro e macroplástica

  • Máquina modular com uma extremidade de vácuo precisa

  • (terrenos acidentados, áreas remotas)

  • Alta capacidade de tratamento




De um projeto escolar a um empreendimento comercial


2017 - O COMEÇO


Como parte de um projeto final de seu mestrado em Engenharia Mecânica na Universidade de Sherbrooke, 12 alunos se deram o objetivo de projetar e fabricar um protótipo capaz de coletar partículas microplásticas acumuladas na Praia Kamilo, no Havaí.


(Foto: HoolaOne/Reprodução)



O projeto foi realizado em colaboração com o Hawaii Wildlife Fund, que tem feito limpezas na praia Kamilo Beach por mais de 20 anos.



DEZEMBRO DE 2018 - HAVAÍ


Protótipo testado em Quebec e pronto para ser enviado ao seu destino final: Kamilo Beach, no Havaí.



JANEIRO DE 2019 - NOVO TIME


Ao final do curso de graduação, três membros da equipe inicial decidiram dar continuidade ao projeto escolar e torná-lo um empreendimento comercial. Juntos, eles criaram a Hoola One Technologies Inc. 


Objetivo: Desenvolver novas formas de restaurar os ecossistemas afetados pela poluição do plástico.



ABRIL DE 2019 - DOAÇÃO PARA HWF


O protótipo chegou ao seu destino final. A equipe viajou ao Havaí para demonstrar o protótipo em um ambiente real e para fazer o comissionamento. O protótipo foi então doado para a HWF e eles ainda estão usando até hoje.



MAIO E JUNHO DE 2019 - VISITE A COSTA


Visita às linhas costeiras afetadas pela poluição do plástico (Havaí, Costa Oeste americana e canadense)



NOVEMBRO 2020 - HO I


Do primeiro protótipo ao produto final e melhorado. O design da nova máquina foi finalizado em novembro de 2020.



Impacto na saúde humana 


O plástico percorre toda a cadeia alimentar e, seja pelo que comemos, bebemos ou pelo ar que respiramos, os estudos estimam que os humanos ingerem em média o equivalente a um cartão de crédito de plástico todas as semanas


A composição química do plástico (Bisfenol A, Ftalato) e a absorção de outros produtos químicos no meio ambiente durante sua vida fazem com que o plástico atue como um meio que transporta muitos agentes tóxicos para o meio ambiente . Esses produtos químicos são conhecidos como desreguladores endócrinos que podem afetar a reprodução, o desenvolvimento e muitas outras funções relacionadas aos hormônios



Impacto econômico


O impacto do plástico nas praias é significativo para a economia das comunidades costeiras. Os impactos econômicos são múltiplos e se manifestam em diferentes formas, como valor recreativo, gastos com turismo, criação de empregos, pesca comercial e valor imobiliário.



Um problema crescente


(Foto: HoolaOne/Reprodução)


É importante mudarmos a forma como usamos e consumimos plástico globalmente. Se nada mudar, a produção de plástico deverá quintuplicar até 2050 . Esse número é para a produção, mas naturalmente o plástico que vai parar no meio ambiente seguirá uma tendência semelhante, o que trará consequências desastrosas.


Fontes:

- Ciclo Vivo

- Hoola One


Pós-Graduação