Normas Técnicas Estruturais em Revisão: Normas de Pontes NBR 7187 (Estruturas) e a de Concreto NBR 6118



Normas Técnicas Estruturais em Revisão: Normas de Pontes NBR 7187 (Estruturas) e a de Concreto NBR 6118

Quando se projeta uma estrutura, deve-se usar a norma respectiva vigente no Brasil. O órgão que confecciona estas normas é a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas).

 

Para projetar uma ponte hoje é possível ainda usar a ABNT NBR 7187:2016 2003, porém com um acordo estabelecido pelo ISO, (International Organization for Standardization - Organização Internacional de Normalização) as normas deverão ser revisadas a cada 5 anos.


Assim, a nova NBR 7187:2016 2018 – Projeto de pontes, viadutos e passarelas de concreto armado e de concreto protendido – Procedimento, já se encontra em fase avançada de discussão e poderá vir a consulta até o final deste ano ou começo do próximo. O comitê que cuida desta norma é o CEE 231, que tem como Coordenador o Eng. Júlio Timerman e como Secretário o Eng. Iberê Martins da Silva.

 

Para se ter um histórico desta norma, basta consultar o catálogo da ABNT que, para o caso da norma de pontes, apresenta o resultado indicado na Figura 1:




Figura 1 – Resultados apresentados pelo catálogo de da ABNT para a indicação de NBR 7187.

Recentemente, duas palestras foram proferidas pelo Secretário da NBR 7187:2016 2018, Engenheiro Iberê sobre o andamento da norma:IV Encontro de Engenharia de Estruturas ABECE-UFSCar, em 26 de abril de 2018 - “Atualização de normas para projeto e execução de estruturas”; e no X Congresso Brasileiro de Pontes e Estruturas no Rio de Janeiro, no dia 11/05/2018.


 

Em seguida, faz-se um resumo das principais observações feitas nas duas palestras em questão. A primeira mudança feita na norma NBR 7187:2016 2018 de pontes foi a de colocar um escopo no lugar de objetivo contido na versão de 2003, com os seguintes dizeres:


 

Escopo

- Esta Norma fixa especifica os requisitos que devem ser obedecidos no de projeto, na execução e no controle das pontes, viadutos e passarelas de concreto.

- Esta Norma aplica-se aos projetos de recuperação e reforço de estruturas existentes, não abrangendo sistemas e materiais de reforço.

- Esta Norma não se aplica a estruturas em armado e de concreto protendido, excluídas aquelas em que se empregue concreto leve ou outros concretos especiais.

Substituindo a versão do item 3.5.7 da norma de 2003, criou-se o seguinte item 5.5:

- No caso de metodologias executivas serem consideradas como premissas do projeto estrutural, influenciando na estabilidade da estrutura durante a construção, nos esforços finais ou na mudança de geometria da estrutura, serão necessários desenhos específicos da sistemática construtiva prevista.


Na questão de requisitos, ocorreram mudanças no novo texto.


Quer ter acesso ao material completo do Professor Roberto Chust? Preencha o formulário e baixe o conteúdo!

 

* O Prof. Roberto Chust Carvalho é Doutor e Mestre em Engenharia de Estruturas pela Universidade de São Paulo (USP) e graduado em Engenharia Civil – UFRJ. Tem experiência na área de Engenharia Civil com ênfase em Estruturas de Concreto, atuando principalmente nos seguintes temas: Concreto Armado e Protendido, Estruturas Pré-Moldadas, Projeto e Análise de Estruturas, Pontes Lajes Alveolares Protendidas. Autor de dois livros: Cálculo e Detalhamento de Estruturas Usuais de Concreto Armado, volumes 1 e 2.




Prof. Roberto Chust

Possui graduação em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, mestrado em Engenharia de Estruturas e doutorado em Engenharia de Estruturas São Carlos pela Universidade de São Paulo. Tem experiência na área de Engenharia Civil, com ênfase em Estruturas de Concreto, atuando principalmente nos seguintes temas: concreto armado e protendido, estruturas pré-moldadas, projeto e análise de estruturas

INBEC - Pós-Graduação com Futuro

Educar, formar e preparar Profissionais dentro das normativas aplicáveis ao ensino superior.