Setembro Amarelo conscientiza população sobre a realidade do suicídio e mostra que existe prevenção



Setembro Amarelo conscientiza população sobre a realidade do suicídio e mostra que existe prevenção
(Foto: CVV/Facebook)

 

Setembro Amarelo é um movimento mundial que objetiva conscientizar a população sobre a realidade do suicídio e mostrar que existe prevenção em mais de 90% dos casos. O suicídio é considerado um problema de saúde pública e mata 1 brasileiro a cada 45 minutos e 1 pessoa a cada 40 segundos em todo o mundo. O movimento Setembro Amarelo é estimulado mundialmente pelo IASP – Associação Internacional pela Prevenção do Suicídio.

 

Prevenção

 

As razões podem ser bem diferentes, porém muito mais gente do que se imagina já pensou em suicídio. Segundo estudo realizado pela Unicamp, 17% dos brasileiros, em algum momento, pensaram seriamente em dar um fim à própria vida e, desses, 4,8% chegaram a elaborar um plano para isso. Em muitos casos, é possível evitar que esses pensamentos suicidas se tornem realidade.

 

A primeira medida preventiva é a educação. Durante muito tempo, falar sobre suicídio foi um tabu, havia medo de se falar sobre o assunto. De uns tempos para cá, especialmente com o sucesso da campanha Setembro Amarelo, esta barreira foi derrubada e informações ligadas ao tema passaram a ser compartilhadas, possibilitando que as pessoas possam ter acesso a recursos de prevenção. Saber quais as principais causas e as formas de ajudar pode ser o primeiro passo para reduzir as taxas de suicídio no Brasil, onde atualmente 32 pessoas por dia tiram a própria vida. Surge então um outro desafio: falar com responsabilidade, de forma adequada e alinhada ao que recomendam as autoridades de saúde, para que o objetivo de prevenção seja realmente eficaz.

 

Mas como buscar ajuda se muitas vezes a pessoa sequer sabe que pode receber apoio e que o que ela sente naquele momento é mais comum do que se divulga? Ao mesmo tempo, como é possível oferecer ajuda a um amigo ou familiar se também não sabemos identificar os sinais e muito menos temos familiaridade com a abordagem mais adequada? 

Podemos ficar atentos ao isolamento, mudanças marcantes de hábitos, perda de interesse por atividades de que gostava, descuido com aparência, piora do desempenho na escola ou no trabalho, alterações no sono e no apetite, frases como “preferia estar morto” ou “quero desaparecer” podem indicar necessidade de ajuda. 

A ajuda pode vir de um amigo, parente, colega de trabalho ou escola, professores, ou alguém que está próximo a quem precisa e também dos voluntários do CVV, que são treinados para conversar com pessoas que estejam passando por alguma dificuldade e que possam pensar em tirar sua vida. 

 

O movimento

 

O Setembro Amarelo é uma campanha de conscientização sobre a prevenção do suicídio. No Brasil, foi criado em 2015 pelo CVV (Centro de Valorização da Vida), CFM (Conselho Federal de Medicina) e ABP (Associação Brasileira de Psiquiatria), com a proposta de associar à cor ao mês que marca o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio (10 de setembro). A ideia é pintar, iluminar e estampar o amarelo nas mais diversas resoluções, garantindo mais visibilidade à causa.

 

(Foto: CVV/Facebook/Reprodução)

 

Ao longo dos últimos anos, escolas, universidades, entidades do setor público e privado e a população de forma geral se envolveram neste movimento que vai de norte a sul do Brasil. Monumentos como o Cristo Redentor (RJ), o Congresso Nacional e o Palácio do Itamaray (DF), o Estádio Beira Rio (RS) e o Elevador Lacerda (BA), para citar apenas alguns, e até mesmo times de futebol, como o Santos FC, Flamengo e Vitória da Bahia, participam da campanha.

 

Mas todos podem ser divulgadores desta importante causa. Ações na rua, caminhadas, passeios ciclísticos, roupas amarelas ou simplesmente o uso do laço no peito já despertam atenção e contribuem para a conscientização. Faça parte desta causa! E não se esqueça: a campanha é em setembro, mas falar sobre prevenção do suicídio em todos os meses do ano é fundamental!

 

 

CVV

 

O CVV é uma das ONGs mais antigas do país. Fundado em São Paulo em 1962, atua no apoio emocional e na prevenção do suicídio por meio do telefone 188, e também por chat, e-mail e pessoalmente.

 

É membro fundador do Befrienders Worldwide e ativo junto ao IASP (Associação Internacional para Prevenção do Suicídio), Abeps (Associação Brasileira de Estudos e Prevenção do Suicídio) e outros órgãos internacionais que atuam pela causa.

 

(Foto: CVV/Facebook/Reprodução)

 

Hoje, cerca de 3,4 mil voluntários, em mais de 120 postos, prestam serviço voluntário e gratuito 24 horas por dia, nos 365 dias do ano, aos que querem e precisam conversar sobre seus sentimentos, dores e descobertas, dificuldades e alegrias.

 

De forma sigilosa e sem julgamentos, o voluntário do CVV busca ouvir aquele que liga com profundo respeito, aceitação, confiança e compreensão, valorizando a vida e, consequentemente, prevenindo o suicídio

 

Após a implantação do telefone 188, por meio de acordo com o Ministério da Saúde que garantiu gratuidade da tarifação telefônica, foram registrados cerca de 3 milhões de atendimentos por ano.


Todas as formas de acesso podem ser conferidas no site www.cvv.org.br, onde também é possível se informar sobre o Posto CVV mais próximo e como se tornar voluntário.

 

Voluntário

 

(Foto: CVV/Facebook/Reprodução)

 

O voluntário do CVV doa seu tempo e sua atenção para quem deseja conversar com outra pessoa de forma anônima, sigilosa e sem julgamentos ou críticas.

 

Se você tem mais de 18 anos de idade, pelo menos quatro horas disponíveis por semana e vontade de ajudar pessoas, você pode ser um plantonista do Programa de Apoio Emocional do CVV.


Para isto, você precisa participar de um curso gratuito de preparação de voluntários, em uma das sedes ou no ambiente virtual. As principais frentes de atuação do plantonista são o atendimento por telefone, voip e chat.


Acompanhe aqui a agenda de cursos em todo o Brasil.


Também é possível ser um voluntário-especialista, auxiliando com conhecimentos e habilidades próprias, como, por exemplo, na divulgação, captação de recursos ou tecnologias. Nesse caso, entre em contato pelo e-mail: comunicacao@cvv.org.br.


CVV faz adaptações e mantém serviço disponível durante a pandemia do Covid-19

 

Em decorrência da pandemia do Covid-19, o CVV, como toda a sociedade, está sofrendo algumas limitações na oferta de seus serviços. Seguindo as recomendações das autoridades sanitárias, há redução de voluntários nos postos de atendimento, a fim de garantir um ambiente mais seguro e saudável. Ainda, foram suspensos temporariamente os atendimentos pessoais e ações na comunidade. Ao mesmo tempo, o isolamento social e suas consequências nas relações e emoções podem acarretar uma maior procura no serviço.

 

Nesse período, igualmente, os cursos presenciais para formação de voluntários foram suspensos, o que dificulta o reforço de novos colaboradores. Por isso, as equipes estão trabalhando, com sucesso, em soluções para que continuar oferecendo apoio emocional ao maior número de pessoas. Estão investindo em soluções tecnológicas que já permitem que vários voluntários atendam remotamente, com total sigilo e segurança.

 

Paralelamente, o momento é uma oportunidade da sociedade se tornar mais solidária e oferecer ajuda aos seus familiares, amigos, vizinhos e colegas de trabalho. O CVV está disponível 24 horas por dia, mas, se você se encontra em condições de ajudar, se disponibilize para conversar sem criticar, ofereça carinho, atenção e acolhimento. Aumente a rede de apoio disponível na sociedade que pode ser constituída por profissionais da saúde, entidades especializadas e os cidadãos individualmente.

 

A fim de auxiliar a todos durante o período de isolamento, o Ministério da Saúde tem publicado, em seu site e redes sociais, informações oficiais sobre a pandemia (https://coronavirus.saude.gov.br/). Além disso, na seção “Saúde Brasil” (https://saudebrasil.saude.gov.br/) mantém orientações sobre ações e hábitos que ajudam na manutenção da boa saúde física e emocional.

 

Fontes:

- CVV

- Setembro Amarelo



Pós-Graduação