Vida e morte das Tiny Houses



Vida e morte das Tiny Houses
(Foto: © Flickr CC User Tammy Strobel)


A tendência das casas pequenas tem sido difícil de ignorar nos últimos anos. O mercado está cada vez mais saturado de programas de televisão e imagens do Pinterest dedicados ao tópico das micro-habitações, onde a casa é reduzida ao tamanho de um closet e cada cômodo assume uma função tripla. 


O que parece atraente na TV costuma ser muito menos desejável na vida real, e a medida que as pessoas desejam cada vez mais um estilo que as liberte dos bens materiais e da capacidade de viajar, o que isso significa para a realidade da construção de pequenas casas? É apenas uma fantasia que ninguém realmente vive e que foi prometida no mundo convencional?


(Foto: © Gori Salva)


O interesse nas pequenas casas aumentou após a econômica mundial mostrar que os aluguéis e hipotecas estão disparando e consomem uma grande proporção da renda e que a disponibilidade de casas de qualidade está diminuindo cada vez mais. Paralelamente, o sonho outrora comum da casa própria não é apenas difícil de realizar, mas também menos desejável, pois as gerações mais jovens querem flexibilidade em vez de um compromisso de 30 anos com uma hipoteca. 


Embora a ideia seja que casas pequenas possam oferecer mais liberdade, flexibilidade e dar ênfase em experiências pessoais, esse estilo de vida atrai apenas um determinado nicho da população. Dados mostram que, na verdade, ele não capitaliza e não está sendo aceito na vida nômade e minimalista em massa.


Por mais inspirador que pareça, o fenômeno do "arrependimento de uma pequena casa" também é uma tendência crescente. Trulia, um banco de dados de imóveis on-line, pesquisou mais de 2.000 proprietários nos EUA investigando sobre suas próprias experiências em casa, com mais de um terço dizendo que gostariam de optar por uma casa grande e apenas nove por cento gostaria de ter reduzir o tamanho atual.


Casas pequenas também não são baratas de construir; de fato, nos Estados Unidos, elas costumam custar mais por metro quadrado do que as casas de tamanho padrão, em parte porque os trabalhos de construção maiores usam os recursos com mais eficiência. A construção de uma casa média de 2000 pés quadrados (185 metros quadrados) custa apenas US $ 150 o metro quadrado, de acordo com o HomeAdvisor, enquanto as pequenas casas construídas por uma das construtoras mais populares da América, a Tumbleweed Tiny House Company, geralmente custam mais do que o dobro.


(Foto: Cortesia de CABN)


Outro argumento a favor das casas pequenas é que elas permitem a flexibilidade de viajar, pegar sua casa e levá-la com você. Embora trazer todos os seus pertences pessoais e o conforto constante do seu próprio espaço pareça ideal, viajar com sua casa é mais difícil do que realmente parece. A maioria das cidades não permite que pequenas casas sobre rodas sejam estacionadas em pátios residenciais ou usadas como residências permanentes sem as autorizações designadas o que, às vezes, pode ser difícil e caro de se obter. Esses requisitos legais são comuns e costumam causar mais problemas do que leis diretas sobre residências tradicionais.


Casas pequenas com certeza permanecerão fascinantes. É difícil não ligar a TV, ou mesmo a Netflix, e desfrutar de uma série completa sobre essa forma de vida inspiradora. Mas quem é a pessoa ideal para esse estilo de vida? Não alguém que vive em uma cidade, e não alguém que deseja uma quantidade relativamente confortável de espaço para morar. A ideia é ótima e é fácil entender por que as pessoas fantasiam, mas a realidade mostra que casas pequenas têm grandes problemas.



Tiny House: como tudo começou


O conceito Tiny House, ou Mini Casa em português, surgiu nos Estados Unidos no final dos anos 90, e teve seu maior crescimento desde a crise subprime de 2007, que causou a bolha imobiliária no País. 


Há quem diga que tudo começou com Jay Shafer, conhecido por muitos como o ‘inventor das Tiny Houses’ e um dos principais defensores do movimento nos Estados Unidos. Ele estava em busca de uma alternativa mais confortável do que o Trailer modelo Airstream no qual já morava há 2 anos. Em 1997 ele desenhou e construiu sua primeira casa, que tem pouco mais de 8m² de área total.


Em entrevista ao site lifeedited.com ele conta que seu objetivo era o de construir uma casa eficiente, onde tudo fosse útil e fizesse sentido, e quando ele tirou do projeto todas as partes da casa que considerava desnecessárias, se deparou com uma casa extremamente pequena. A construção foi feita sobre uma base de trailer, mas com visual externo e ambientes internos de uma casa.


(Foto: Pés Descalços/Reprodução)


As Tiny Houses podem variar de tamanho, de 8m² até por volta de 38m². Mais do que isso já deixa de ser considerada uma Tiny House, segundo os defensores do movimento nos Estados Unidos. De tamanhos, formatos e acabamentos dos mais variados, algumas têm uma cozinha completa para os amantes da culinária, outros priorizam o espaço de convivência (ou sala de estar), há também os que não abrem mão de um quarto maior, ou de uma banheira, ou de um closet espaçoso para não terem que abrir mão das suas amadas roupas!


O público crescente entre os moradores de Tiny Houses são profissionais ou aposentados com mais de 50 anos, solteiros ou não, que viram suas casas grandes se esvaziarem depois que os filhos cresceram ou que não veem mais sentido em ocupar grandes espaços e possuir grande quantidade de bens materiais.



Fontes:

- ArchDaily Brasil

- Pés Descalços


Pós-Graduação