Você sabe o que é BIM? Sandra Albino explica a importância de utilizar essa tecnologia na Construção Civil



Você sabe o que é BIM? Sandra Albino explica a importância de utilizar essa tecnologia na Construção Civil

Building Information Modeling (BIM), em tradução livre, Modelagem da Informação da Construção, é o novo conceito quando se trata de projetos para construções. Diferente da tecnologia mais usada pelos projetistas brasileiros, esta detecta os erros de forma automática, assim como a quantidade de material a ser usado e o tempo necessário para a execução da iniciativa, garantindo mais segurança, eficiência e melhor gerenciamento.


Em entrevista ao Blog INBEC, a Prof. Sandra Albino, arquiteta e urbanista mestre em Arquitetura, Projeto e Meio Ambiente, conta como essa plataforma vem revolucionando e trazendo grandes resultados na Construção Civil.


O que é exatamente a plataforma BIM?


O BIM é uma nova filosofia de trabalho que permeia todas as fases do empreendimento (da concepção à operação) e consiste na colaboração e integração de arquitetos, engenheiros e construtores a partir de um modelo virtual. Este é desenvolvido em softwares fundamentados em inteligência paramétrica que possibilitam: alterações automatizadas e o armazenamento de informações as quais subsidiam orçamentos, dimensionamentos, análises, entre outras atividades.


Quais softwares podem contar com essa plataforma?


Existem diversos softwares BIM que são utilizados na área de projetos, planejamento, construção e operação. Entre eles temos o Revit, Navisworks, Ecotect Analysis, ArchiCAD, Solibri, Vectorworks, Tekla Structures, TQS, CYPECAD,Synchro PRO e Vico Office. Cada ano surgem mais!


No meio de tantos softwares, qual seria o diferencial e a importância desta tecnologia?


O grande diferencial é simular virtualmente a obra e o empreendimento antes da sua construção. Deste modo, é possível: analisar melhor as propostas e meios para maior desempenho da edificação, verificar problemas e a viabilidade construtiva, avaliar com mais precisão as etapas de trabalhos e os prazos de execução e elencar dados mais consistentes.


Como a plataforma BIM atua para gerar projetos mais consistentes e íntegros?


Os projetistas representam as suas ideias com base no Sistema Mongeano, ou seja, para representar qualquer artefato que será construído ou fabricado, é necessário antes elaborar desenhos bidimensionais das suas partes. Quanto mais complexo for o artefato, mais desenhos e detalhes deverão existir para a sua execução. Este método de representação, que é utilizado há séculos, acarretou mais exatidão e organização na documentação de projetos, independente da sua natureza.


Apesar do seu valor, ele apresenta algumas limitações. Quando é necessário modificar ou adicionar uma informação no projeto, por exemplo, é necessário fazer a alteração em todas as vistas que aparece este novo dado. Logo, o projetista ou desenhista tem muito trabalho diante de alterações na concepção ou na documentação. Caso ocorram falhas nesta ação, ou seja, se o responsável pelos desenhos omitir ou representar uma informação de maneira incorreta, acarretará sempre em orçamentos imprecisos, afetando o planejamento e podendo trazer prejuízos durante a execução.


Com o advento do BIM, os profissionais criam o protótipo virtual do empreendimento e deste extraem os seus desenhos bidimensionais, como plantas baixas, fachadas e cortes. Quando necessário fazer uma alteração, basta realizar apenas uma vez, porque o modelo é íntegro, e mesmo que haja modificações estas ocorrem de forma instantânea em todas as vistas. Deste modo, a documentação é mais confiável, bem como a transmissão das informações que serão utilizadas em outras fases da obra.


O BIM ajuda na produção de construções mais complexas e completas?


Construções complexas são normalmente caracterizadas assim pela quantidade de informações que possuem, pela geometria sofisticada da arquitetura, pelo porte e/ou método construtivo adotado. Seja qual for o aspecto que de fato carrega, uma coisa é certa o seu custo será diferenciado e qualquer erro na execução trará prejuízos até mesmos irreversíveis. Neste sentido, a consistência e precisão dos dados extraídos dos projetos são fundamentais para o orçamento, o planejamento e a execução correta. Atualmente, a plataforma BIM é o melhor caminho para armazenar e gerenciar informações, além disso ela pode se associar a outras tecnologias que oportunizam uma melhor execução e desempenho da obra como a fabricação digital, prototipagem, realidade virtual, realidade aumentada, entre outras.




Quais são as desvantagens do BIM?


Comparado ao modo de trabalho tradicional, as desvantagens são ínfimas. A desvantagem, talvez, de maior destaque no cenário nacional é a necessidade que os profissionais de projetos têm de criarem templates, componentes, entre outros elementos para adequarem os softwares BIM aos métodos construtivos e as normas brasileiras. Apesar disso, é fato que nos últimos anos várias empresas como a Tigre tubos e conexões, Instituições como a FDE (Fundação para o Desenvolvimento da Educação), escritórios como o de Contier Arquitetura têm disponibilizados materiais digitais gratuitos que minimizam a falta de customização dos programas.


Já faz algum tempo que ouvimos pela primeira vez do BIM. No entanto, ainda parece que os profissionais da construção civil ainda não se atualizaram para utilizar a plataforma. Você saberia me dizer por que ainda há tanta inércia quanto à mudança para o BIM?


Existem alguns fatores que inibem o início do uso do BIM tanto no âmbito acadêmico como profissional. Um deles é a necessidade de um período de aprendizagem para a utilização dos softwares e para o entendimento do conceito de processos e de políticas que permeiam esta nova filosofia de trabalho. Neste momento, é preciso investir em capacitações como também aquisição de programas e, em alguns casos, até compra de novos equipamentos. O investimento econômico é significativo, assim como o tempo para tornar esta nova filosofia em realidade.


Como as construtoras podem se preparar para o futuro?


As ferramentas CAD foram lançadas nos anos de 1980, entretanto, elas só foram difundidas no Brasil depois de mais de uma década. Não só as ferramentas digitais com outras inovações tecnológicas levaram muito tempo para serem compreendidas e implementadas no cenário nacional. É cultural o nosso atraso tecnológico. A plataforma BIM, já é uma realidade para vida de profissionais em muitos países desenvolvidos. Na Inglaterra, todos os projetos públicos devem estar nesta plataforma para serem aprovados, Alemanha, Suécia, Noruega, Estados Unidos, Singapura e outros seguem o mesmo caminho. No Brasil a disseminação do BIM só vem ocorrendo com mais ênfase nos últimos anos, mas ainda é incipiente a implementação em empresas e instituições. E quando implantada esta tecnologia não é explorada 100%. Os profissionais precisam despertar para esta inovação que traz a redução de custos, otimização de processos e oportunizam o melhor desempenho de edifícios. Quem buscá-la, certamente terá um diferencial nos próximos anos e terá mais chances de sobreviver no mercado e na crise.


Educar, formar e preparar Profissionais dentro das normativas aplicáveis ao ensino superior.