Conheça a história da Catedral Metropolitana de Fortaleza, monumento histórico de imponente arquitetura neogótica



Conheça a história da Catedral Metropolitana de Fortaleza, monumento histórico de imponente arquitetura neogótica
(Foto: Expedia/Reprodução)
 

A história da Catedral Metropolitana de Fortaleza remete ao início do século XVII. Com a terceira expedição ao solo cearense, em 1611, Martim Soares Moreno, vindo do Forte dos Reis Magos, de Natal, acompanhado do padre Baltazar João Barreira e alguns soldados, ergueram, em janeiro de 1612, um fortim, denominado S. Sebastião e, ao seu lado, construíram em taipa uma capela sob a devoção de Nossa Senhora do Amparo.

 

Até então, não existia uma exploração religiosa mais intensa na Capitania do Ceará. A expedição partindo de Natal tinha a intenção de catequizar toda a costa até a ponta Norte do país.

 

O fortim se manteve até 1637, quando foi tomado pelos holandeses. Os invasores ficaram ali por pouco tempo, pois foram massacrados por índios em revolta. A capela, provavelmente, foi destruída nesse período.

 

Em 1649, com a volta dos flamengos ao Ceará, foi levantado um novo forte à margem esquerda do rio Marajaik. O comandante, Matias Beck, o denominou de Forte Schoonemborch, nome do então governante holandês do Recife. Este Forte deu origem à cidade de Fortaleza.

 

O domínio holandês demorou apenas cinco anos (1654) e, sob o comando de brasileiros e portugueses, a sua denominação foi modificada para Forte de Nossa Senhora de Assunção.

 

Na década de 1820, ao lado do Forte, no mesmo lugar onde existiu a capela de taipa, foi iniciada a construção de um templo em alvenaria, que levou mais de trinta anos para sua conclusão (1854) e foi denominada de .

 



Igreja da Sé em 1914. (Foto: Fortaleza Nobre/Reprodução)
 

Um laudo dos Engenheiros, na década de 1930, revelou que havia rachadura nas bases daquele templo. Houve muita polêmica sobre a construção de uma nova Sé em outro lugar da cidade ou no mesmo da octagenária igreja, já sem possibilidade de recuperação. Entretanto, na gestão de D. Manuel da Silva Gomes, Arcebispo de Fortaleza, a Sé começou a ser demolida (1938).

 



Catedral da Sé antiga. (Foto: Fortaleza Nobre/Reprodução)
 

No dia 15 de agosto de 1939, foi lançada a pedra fundamental da Catedral Metropolitana de Fortaleza, com o projeto do Engenheiro francês Georges Mounier. A construção, apesar de opiniões a favor e contra, contou com o empenho de diversas pessoas e ajuda financeira de inúmeros segmentos da sociedade.

 

A posse do Cardeal D. Aloísio Lorscheider como Arcebispo de Fortaleza muito contribuiu para que a Catedral fosse concluída e finalmente inaugurada, em 22 de dezembro de 1978, depois de quase 40 anos em construção.



 
Construção da Catedral na década de 70 – José Garcia Martinez. (Foto: Fortaleza Nobre/Reprodução)
 

A primeira coisa que se vê ao se aproximar da catedral são suas torres em forma de lança, que têm quase 75 metros de altura. Além disso, chama atenção o contraste entre a simplicidade das torres feitas de pedra e a cúpula romanesca em direção à parte traseira da catedral; além do exterior, com portas em arco e grandes janelas ornamentadas.

 

O efeito da luz que atravessa os espetaculares vitrais é belíssimo. O conjunto do alto teto abobadado, do interior arejado e das janelas coloridas é de tirar o fôlego.

 


(Foto: Expedia/Reprodução)
 

Na parte interna da Catedral, temos:

 

·         À esquerda da nave central, vemos a Capela de São José, padroeiro do Estado do Ceará e da Catedral de Fortaleza. No dia 19 de março, acontece uma imensa festa que mobiliza toda a cidade.

  

·         À direita, vemos a Capela dedicada à Nossa Senhora da Assunção, Excelsa Padroeira de Fortaleza e quem serviu de origem para o nome da cidade.

 

·         À esquerda do presbitério da Catedral, encontra-se a Capela do Santíssimo Sacramento, onde os fiéis e visitantes são convidados a parar um pouco e orar, em reconhecimento da presença viva de Jesus na Eucaristia. Nessa última capela, estão também sepultados os principais bispos que contribuíram para a história do catolicismo no Ceará.

  

·         No centro do presbitério, encontra-se o altar-mor trazido de Verona–Itália.

  

Como é comum, as grandes catedrais possuem criptas. A Sé de Fortaleza também possui sua cripta. A princípio era subsolo-aterro. Ela é a única que, desde a sua inauguração [da cripta] em 1962, consagrou seu espaço à juventude. A Cripta dos Adolescentes, como foi denominada por D. Antônio de Almeida Lustosa, Arcebispo da época, homenageia, em seis altares, santos que morreram na adolescência: Tarcíso, Domingos Sávio, Pancrácio, Luzia, Inês e Goretti.  

 


(Foto: Expedia/Reprodução)
 



(Foto: Expedia/Reprodução)


 

No altar central da Cripta, está a imagem de Jesus adolescente, de braços abertos, expressando o acolhimento a todos os que visitam esta Igreja. Encontramos ainda a Capela do Cristo Ressuscitado onde estão sepultados bispos e padres. 

 


(Foto: Setydeias/Reprodução)
  

A Catedral Metropolitana de Fortaleza é a terceira maior do País, com capacidade para abrigar cinco mil pessoas. É um monumento histórico, localizado no centro da cidade e se destaca por sua imponência arquitetônica, seus belos vitrais e pelo estilo neogótico.

 

 

Arquitetura Neogótica 

 


(Foto: Expedia/Reprodução)

 

A Arquitetura Neogótica é a denominação de um estilo de arte que ocorreu no século XIX e começo do século XX, trazendo de volta as características do estilo Gótico da última fase da Idade Média (século XII-XIV) na Europa. Assim é considerado um revivalismo do gótico. Alguns autores o consideram parte do ecletismo.

 

Com o neogótico, toda a riqueza e luz do estilo gótico é revivida especialmente na Arquitetura, chegando inclusive até o Brasil. Fisicamente a luz vai ter um papel de importância crucial no interior de uma catedral, difundida através dos grandes vitrais numa áurea de misticismo, com sua carga simbólica reforçada pela acentuação do verticalismo.

 

 

O Neogótico no Brasil

 


(Foto: Expedia/Reprodução)
 

O neogótico tornou-se popular no Brasil durante o reinado do último imperador Dom Pedro II, especialmente desde a década de 1880.

 

Talvez a mais antiga igreja neogótica do Brasil seja o Santuário de Caraga, em Minas Gerais, construído entre 1876 e 1883 para substituir uma igreja colonial. Outra igreja neogótica pioneira é a Catedral de Petrópolis, iniciada em 1884, mas não concluída até cerca de 1925, que abriga os túmulos do imperador e sua família.

 

No Rio de Janeiro, então capital, muitos edifícios foram construídos neste estilo da década de 1880, como o pitoresco palácio na Ilha Fiscal, construído em uma ilha na Baía de Guanabara entre 1881 e 1889, a Igreja da Imaculada Conceição em Botafogo (1888-1892), a Igreja Metodista do Catete (1886) e outras.

 

O renascimento gótico foi amplamente utilizado em todos os tipos de edifícios civis e militares, incluindo casas particulares, mas foi particularmente popular em edifícios religiosos. Na capital de São Paulo a primeira igreja neogótica foi a igreja luterana de Martinho Lutero (1906-1908) e, alguns anos mais tarde, a monumental Catedral, construída a partir de 1913 e inaugurada apenas em 1954.

 

Entre 1930 e 1954, a Santa Igreja de Ifigênia, também em estilo neogótico, era a catedral da cidade. Outras catedrais neogóticas incluem a Catedral de Santos (1909-1967), a grande catedral de viagens em Belo Horizonte (iniciada em 1913), a Catedral de Vitória (1920-1970) e outras.

 

As igrejas neogóticas tardias começaram a ser construídas pelo menos até a década de 1930, como a Catedral Metropolitana de Fortaleza, que começou em 1939 e foi inaugurada apenas em 1978.

  


Características da Arquitetura Neogótica

 


(Foto: Expedia/Reprodução)
 

As principais características da arquitetura neogótica são as mesmas do Gótico, que foi um estilo considerado uma evolução do estilo Românico. As principais são:

 

·         Verticalismo dos edifícios

·         Utilização de arcos de volta quebra - arcos ogivais

·         Janelas predominantes – vitrais

·         Paredes mais leves e finas

·         Contrafortes em menor número

·         Torres ornadas por rosáceas

·         Consolidação dos arcos feita por abóbadas de arcos cruzados ou de ogivas

·         Abóbada de nervuras


 
(Foto: Setydeias/Reprodução)

  

Fontes:

- Expedia

- Blog Brasil Imperdível

- Fundação Joaquim Nabuco

- Fortaleza Nobre

- Coisa de Cearense

- Praias de Fortaleza

- Marina Rent a Car

- Patrimônio Neogotico

- SkyscraperCity


INBEC

Pós-Graduação

Educar, formar e preparar Profissionais dentro das normativas aplicáveis ao ensino superior.