Retrospectiva e perspectiva ambiental de 2020 e 2021



Retrospectiva e perspectiva ambiental de 2020 e 2021
Imagem: NASA Earth Observatory - Ciclo Vivo/Reprodução



Ambientalistas, cientistas e especialistas fazem um balanço de 2020 e uma previsão do que deve mover o Brasil e o mundo em 2021



Enchentes, queimadas, desmatamento, ciclone bomba, nuvem de gafanhoto, animais invasores e uma pandemia sem precedentes na história moderna. O ano de 2020 apresentou grandes desafios relacionados ao meio ambiente e encerra como o terceiro ano mais quente já registrado. Por um lado, 2020 foi marcado pela união dos países em construir uma economia mais verde; por outro, pelos desafios mais imediatos provocados pelo coronavírus.



“Este foi um ano de paradoxos. Apesar do efeito nefasto em mortes pela Covid-19 e a perda de renda devido à desaceleração econômica, esta situação provocou uma redução considerável na poluição do ar, tanto pela redução da movimentação de veículos no planeta como pela desaceleração industrial”, resume o membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza (RECN) e professor do Laboratório de Inovação em Sustentabilidade da Universidade de Colorado, Gunars Platais.



Ele e outros especialistas fizeram um balanço dos eventos mais marcantes da área ambiental em 2020 e traçaram algumas perspectivas para 2021.



Retrospectiva 2020




Foto: Wikimedia Commons - Ciclo Vivo/Reprodução




Fim da Década da Biodiversidade


Em 2020, encerra-se a Década da Biodiversidade, criada pela Organização das Nações Unidas (ONU) para proteger as espécies do planeta. No entanto, nenhuma das metas definidas para o período foi atingida de acordo com o balanço final da Década divulgado pela entidade em setembro deste ano. No Brasil, números apresentados em novembro pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostraram que o país tem 3.299 espécies ameaçadas de extinção.



Redução das emissões de gases do efeito estufa


Um estudo da revista científica Nature Communications mostrou que a pandemia teve grande impacto na redução da poluição atmosférica. Segundo cálculos dos pesquisadores, houve uma queda de 8,8% nas emissões de dióxido de carbono (CO2) na primeira metade do ano em comparação com igual período de 2019. A redução é maior do que a registrada em crises econômicas anteriores ou na Segunda Guerra Mundial. Por outro lado, em relação à redução das emissões de gases de efeito estufa, o Brasil estabeleceu recentemente metas pouco ambiciosas a serem cumpridas até 2030, mantendo o que havia sido proposto há cinco anos.



Enchentes e estiagens


O primeiro semestre foi de chuvas fortes em muitas cidades do país, causando alagamentos recordes e devastação. Ao mesmo tempo, outras regiões sofreram com o problema da estiagem, que em alguns casos, como em Curitiba (PR), foi a mais longa já registrada. De acordo com especialistas, o fenômeno de precipitações mais intensas e secas mais duradouras é reflexo dos efeitos das mudanças climáticas. “São eventos extremos que afetam a biodiversidade, o equilíbrio dos ecossistemas e as pessoas, com restrição ao abastecimento de água, falta de energia e aumento de tarifas, por exemplo.



Além disso, quando a estiagem é muito longa, é preciso acionar as usinas termelétricas, que são mais poluentes”, explica o gerente de Economia da Biodiversidade da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, André Ferretti, alertando que esse cenário deve permanecer em 2021 e nos próximos anos.



Pantanal


Foto: Greenpeace - Ciclo Vivo/Reprodução



Em 2020, o Pantanal recebeu atenção internacional em razão dos incêndios que queimaram o bioma e mataram milhares de animais. O fogo atingiu Unidades de Conservação (UCs), incluindo o Parque Estadual Encontro das Águas, que reúne a maior população de onça-pintada do mundo. “Em 2020, a intensidade e a quantidade de áreas atingidas pelo fogo foram muito grandes. Apesar das políticas equivocadas do governo federal e algumas em nível dos estados do Mato Grosso do Sul e do Mato Grosso, a tragédia estabeleceu um clima de solidariedade na sociedade e ao mesmo tempo aparou algumas arestas entre o terceiro setor e a iniciativa privada”, comenta o membro da RECN e diretor executivo do Instituto SOS Pantanal, Felipe Dias.



Eventos climáticos extremos


Além das chuvas e estiagens, o Brasil também conviveu com eventos climáticos incomuns ao longo do ano, como o ciclone bomba, que prejudicou mais gravemente a região Sul do país, e a nuvem de gafanhotos, ocasionada pelas mudanças climáticas e por práticas não sustentáveis de agricultura.



Pesca de sardinhas em Fernando de Noronha


No final de outubro, o governo federal autorizou a pesca de sardinhas no Parque Nacional Marítimo de Fernando de Noronha, o que gerou preocupação entre ambientalistas e pesquisadores. “Foi autorizada de uma forma equivocada, atropelando um processo que já ocorria no âmbito do Parque e que acabou levando a uma situação que nos deixa muito receosos em relação ao que pode gerar. Temos como beneficiários dessa autorização pessoas que sequer têm atuação de pesca mais tradicional ou local”, alerta o membro da RECN, professor da Universidade de São Paulo (USP) e responsável pela Cátedra de Sustentabilidade de Oceano da Unesco, Alexander Turra. 



Já o pesquisador da Voz da Natureza e da Academia de Ciências da Califórnia, Hudson Pinheiro, lembra que a sardinha é base da cadeia alimentar de outras espécies. “É um precedente inacreditável você poder entrar num Parque Nacional para pescar. É inaceitável. A sardinha é a base da cadeia alimentar, seu desaparecimento pode resultar no colapso de toda ecologia trófica da ilha, inclusive da própria pesca de recursos locais”, diz Pinheiro, que também é membro da RECN.



Najas e pitons


O episódio da cobra naja – uma espécie exótica do Brasil – tomou conta do noticiário no segundo semestre. Um estudante de veterinária do Distrito Federal acusado de traficar o animal foi picado pela cobra e foi parar no hospital, em coma. Na metade de dezembro, uma piton albina birmanesa, espécie típica da Ásia e da África, foi resgatada no município de Mucambo (CE). Os casos trouxeram à tona a questão das espécies exóticas invasoras, capazes de causar sérios distúrbios aos ecossistemas. “Esses animais trazem vários riscos, desde o ataque a outras pessoas, como foi o caso da naja, à proliferação de doenças”, alerta a diretora executiva do Instituto Hórus de Desenvolvimento e Conservação Ambiental e membro da RECN, Sílvia Ziller.



Decisão do Conama


No final de setembro, o Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) se reuniu para revogar três resoluções publicadas em anos anteriores, incluindo medidas que fortaleciam a proteção de áreas de restingas e manguezais. A decisão foi criticada por ambientalistas e acabou indo parar no Supremo Tribunal Federal (STF), que já formou maioria pela restauração das resoluções em julgamento ainda sem data de conclusão.



Perspectivas para 2021


Foto: pxhere.com - Ciclo Vivo/Reprodução



Início da Década do Oceano


Com o fim da Década da Biodiversidade, a ONU dá início em 2021 à Década da Ciência Oceânica para o Desenvolvimento Sustentável. O objetivo é unir esforços de todos os setores relacionados ao mar para reverter o ciclo de declínio na saúde do oceano e criar melhores condições para concretizar o desenvolvimento sustentável. No Brasil, foram conduzidas diversas oficinas para a construção do Plano Nacional de Implementação da Década, com participação de diversos atores da sociedade. A criação de um banco de dados on-line, integrado, transparente e acessível a todos, não somente aos espaços de educação formal, foi a principal necessidade identificada para o país.



COP 26 e COP 15


Em 2021, importantes eventos relacionados ao meio ambiente, dentro do âmbito da ONU, ocorrerão como forma de unir os países em torno de um futuro sustentável. “Será um ano crucial para a agenda ambiental global, com o início da Década da ONU de Restauração de Ecossistemas; a realização – em Glasgow, na Escócia – da Conferência das Partes (COP) 26 de Clima para pactuar acordo sobre as regras de implementação do Acordo de Paris; e a realização da COP 15 de Biodiversidade — em Kunming, na China — para adotar a nova Estratégia Global de Biodiversidade para o período de 2021 a 2050. 


São oportunidades únicas que o Brasil não pode perder para influenciar, fazendo bom uso das lições aprendidas com as ricas experiências desenvolvidas no país”, comenta o membro da RECN e professor do Departamento de Ecologia da Universidade de Brasília, Braulio Dias, que também é ex-secretário executivo da Convenção da ONU sobre Diversidade Biológica.



Impacto das eleições nos EUA


A eleição do presidente Joe Biden nos Estados Unidos e o retorno do país ao Acordo de Paris irá fortalecer a política ambiental global e influenciar países como o Brasil. “No governo do presidente Donald Trump foram sistematicamente desmanteladas mais de cem regulações ambientais de grande importância. O presidente-eleito Biden já indicou que vai começar a, paulatinamente, voltar a implantá-las”, detalha Platais. Já para Dias, a política ambiental de Biden irá impactar e influenciar o Brasil, uma vez que ela é “diametralmente oposta” à política de Trump.



Intensificação da recuperação econômica verde


O ano atual foi marcado por posicionamentos cada vez mais enfáticos das empresas na proteção e conservação do meio ambiente e numa crescente conscientização da sociedade sobre os impactos ambientais de negócios econômicos. “O fato de os setores financeiros de grande envergadura estarem prestando muita atenção ao impacto que a mudança climática está causando no lucro das empresas é de suma importância.



O resultado esperado é que estejamos cada vez mais descarbonizados”, comenta Platais, ex-economista do Banco Mundial. Outro fator que caminha nessa direção é a adoção e o fortalecimento de boas práticas ambientais, sociais e de governança (ESG) pelas corporações, o que tem levado grandes investidores a levarem isso em conta na hora de escolher os negócios que receberão recursos.



Novos hábitos de consumo


A mudança dos padrões de consumo da sociedade, em especial da juventude, é um importante aspecto a monitorar ao longo do próximo ano e década, indicam os especialistas. Os modelos atuais de crescimento econômico estão sendo questionados e a economia circular ganha cada vez mais tração e relevância nesse novo contexto.



Cidades sustentáveis


A tendência de cidades em todo o mundo de implantar ações de mitigação e adaptação às mudanças climáticas deve continuar em 2021. No Brasil, especificamente, essa ação deve ser liderada pelos novos prefeitos e vereadores eleitos em 2020. Exemplos já existem, como o movimento Viva Água, em São José dos Pinhais (PR), que busca contribuir com a segurança hídrica para milhares de famílias e indústrias locais por meio da recuperação do solo e da vegetação da bacia hidrográfica do rio Miringuava.



O projeto é uma iniciativa da Fundação Grupo Boticário em parcerias com os governos municipal e estadual, além de empresas e entidades da sociedade civil organizada. “É preciso dar espaço para a natureza, introduzindo tipologias de Soluções Baseadas na Natureza (SBN) por meio de tetos verdes nas edificações, jardins de chuvas, canteiros fluviais, biovaletas e parques multifuncionais”, explica a membro da RECN e pesquisadora do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), Cecilia Herzog.



Olhos atentos à Amazônia


Seguindo a pauta dos últimos anos, a política ambiental para proteger a Amazônia continuará a atrair a atenção da população global. A falta de medidas eficazes para combater o desmatamento – que cresceu 9,5% em 12 meses, passando de 11 mil km² devastados – e preservar povos e terras indígenas seguirá desencadeando pressões ao Brasil vindas a partir da perda de investimentos estrangeiros, boicote a produtos nacionais e sanções comerciais de outros países.



Fonte:

- Ciclo Vivo


Pós-Graduação