Cidades brasileiras montam hospitais de campanha para coronavírus



Cidades brasileiras montam hospitais de campanha para coronavírus

Hospital no PV deve ficar construído no dia 20 de abril, de acordo com a Prefeitura de Fortaleza (Foto: Natinho Rodrigues/SVM - G1 Ceará/Reprodução)


O mundo segue em alerta em função da pandemia do novo coronavírus (COVID-19). No Brasil, alguns estádios de futebol e até novos hospitais estão à disposição das autoridades estaduais e municipais para ajudar no combate à doença, sendo usados como hospitais de campanha.

  

O que é um hospital de campanha

 

O hospital de campanha é uma unidade provisória e conta com equipamentos, médicos e outros profissionais de saúde para atender apenas casos específicos de pacientes que tiveram a saúde afetada por alguma situação ou doença, como é o caso do coronavírus.

 

Normalmente, esses hospitais são construídos para dar apoio a outras unidades de saúde do estado.

 

Minas Gerais

 


(Foto: Divulgação/Mineirão - Estado de Minas Gerais/Reprodução)

 

Em Belo Horizonte, o Mineirão se colocou às ordens dos órgãos públicos.

 

"O Mineirão informa que a decisão pela construção de hospitais de campanha cabe aos órgãos de saúde ou militares. Até o momento, a equipe do estádio não foi procurada com esta demanda por parte dos órgãos, porém se colocou à disposição do Estado de Minas Gerais na última terça-feira (16) e da Prefeitura de Belo Horizonte, no último sábado (20). O Mineirão reitera que está em contato constante com o poder público e integralmente à disposição para auxiliar com o que for possível", diz o comunicado.

 

Outros estádios pelo país também estão à disposição das autoridades para o auxílio ao combate do novo coronavírus. Os estádios Nilton Santos, no Rio de Janeiro; Pacaembu, Morumbi e Arena Corinthians, em São Paulo; Mané Garrincha, em Brasília; Frasqueirão, em Natal; e Arena da Baixada, em Curitiba, já foram disponibilizados para os órgãos públicos.

 

São Paulo

 


Começa a construção de hospital de campanha para receber pacientes com coronavírus no Pacaembu (Foto: Prefeitura de SP/Divulgação -  G1 São Paulo/Reprodução)

 

Começou neste domingo (22) a construção de um hospital de campanha no estádio do Pacaembu, na Zona Sul de São Paulo, onde serão colocados 202 leitos para receber pacientes com coronavírus.

 

Hospital Albert Einstein vai assumir a gestão do hospital de campanha e anuncia a contratação de 1.426 profissionais de saúde na capital por tempo determinado.

 

Serão 509 para o hospital no Pacaembu, 195 para unidades de parcerias públicas com a prefeitura e o restante para serviços hospitalares, ambulatoriais e diagnóstico das diversas unidades de atuação. As inscrições podem ser feitas no site do Einstein.

 

A construção do hospital de campanha decorre da formalização de uma parceria entre o Allegra Pacaembu, que adquiriu a concessão para a exploração do estádio e do complexo, com a Prefeitura.

 

A tenda de 6.300 metros quadrados está sendo erguida por 80 funcionários e a previsão é de que a obra termine em até 10 dias.

 

Segundo a Prefeitura de São Paulo, mais 1.800 leitos serão colocados no Complexo do Anhembi, na Zona Norte da capital, onde fica localizado o sambódromo. No total, os dois locais abrigarão 2.200 leitos para receber pacientes com coronavírus de baixa complexidade hospitalar.

 

Os pacientes que terão vagas em leitos nestes locais serão definidos pela Secretaria Municipal de Saúde, após terem passado por outros hospitais ou unidades básicas de saúde, onde será feita uma triagem.

 

Segundo a Prefeitura, a Allegra Pacaembu tem dentre suas sócias a Progen, uma empresa com experiência em montagem de estruturas provisórias e também na construção de hospitais de campanha com tendas.

 

O Complexo do Pacaembu estará fechado para o público em geral e para a prática esportiva durante toda essa operação. 

 

Rio de Janeiro

 


Parque dos Atletas fica na Barra (Foto: Reprodução/TV Globo - G1 Rio de Janeiro/Reprodução)

 

A Secretaria Estadual de Saúde do Estado confirmou que o Rio de Janeiro terá três hospitais de campanha para atender pacientes infectados pelo novo coronavírus.

 

Os hospitais ainda serão construídos e ficarão no Parque dos Atletas, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio; no antigo aeroclube de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense; e em São Gonçalo. A estimativa é entregar um total de 600 leitos. Serão 100 vagas em cada cidade dentro de um mês, dobrando essa quantidade nos 30 dias seguintes.

 

Anteriormente, a Prefeitura já tinha anunciado uma unidade no Riocentro com 500 leitos para desafogar hospitais com maior demanda de infectados pelo Covid-19.

Além desses, a Secretaria Estadual de Saúde prometeu abrir outros 300 leitos em até 40 dias para receber pacientes infectados com o coronavírus, além de outros 300 em mais 30 dias.

 

"As medidas irão possibilitar atender pacientes graves infectados por coronavírus. Caso a população não siga as recomendações de permanecer em casa, a previsão é que o estado registre cerca de 24 mil casos confirmados no próximo mês", disse o órgão.

 

Ainda não há informações sobre quando os hospitais de campanha começarão a funcionar.

 

Distrito Federal

 


Estádio Mané Garrincha (Foto: Nicole Angel/ G1 DF - Reprodução)

 

Estádio mais caro construído para a Copa do Mundo, a um custo estimado em R$ 1,5 bilhão, o Mané Garrincha vai ser transformado em hospital de campanha para ajudar a conter o avanço do novo coronavírus no Distrito Federal.

 

Um termo de cooperação entre o Governo do Distrito Federal e a sociedade Arena BSB, que administra o Mané Garrincha desde fevereiro, foi assinado confirmando a parceria. Ainda não foram divulgados detalhes da estrutura, mas a ideia é que o estádio possa ser utilizado como um centro de triagem e receba um hospital de campanha para casos menos graves da Covid-19.

 

O Mané Garrincha foi oferecido ao GDF pela Arena BSB na última sexta-feira. Desde então, técnicos da Secretaria de Saúde realizaram várias vistorias no estádio. Segundo a sociedade, a pasta vai iniciar nesta semana as adaptações necessárias para transformar o local em um hospital de campanha.

 

"Entendemos que disponibilizar a estrutura do estádio é assumir uma cota de responsabilidade social neste momento tão crítico. Estamos dispostos a colaborar em todas as ações necessárias para a minimização da epidemia e suas consequências", afirma o presidente da Arena BSB, Richard Dubois.

 

Ceará

 


Estádio Presidente Vargas recebe estrutura de hospital para atender pessoas com coronavírus (Foto: Kid Júnior/SVM - G1 Ceará/Reprodução)

 

O prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio, anunciou nesta segunda-feira (23) a construção de um hospital na estrutura do Estádio Presidente Vargas, localizado no Bairro Benfica. A nova unidade de saúde contará com 204 leitos para receber pacientes diagnosticados com a Covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus. A estrutura do hospital já começou a ser montada na tarde desta segunda (23).

 

O hospital deve estar disponível para o atendimento de pacientes a partir do dia 20 de abril.

 

Roberto Cláudio afirmou que os 204 leitos serão divididos em 17 enfermarias, com 12 leitos cada. A unidade de saúde terá base em concreto, estrutura metálica, farmácia, contêineres de higienização e áreas de desinfecção numa área de 3.500 metros quadrados. Parte do material já está sendo deslocado do Pecém, na Região Metropolitana de Fortaleza.

 

“Inicialmente, serão leitos de internamento comum mas com a possibilidade caso haja disponibilidade principalmente de respiradores e pessoal e eventual necessidade da população, a gente gradualmente pode adaptar para leitos de UTI”, explicou o prefeito. Segundo ele, o projeto emergencial era discutido desde a semana passada.

 

Além da estrutura física, já estão sendo adquiridos macas e insumos básicos para o início das atividades.

 

Os vestiários do equipamento serão readequados para uso dos agentes de saúde, com aparato de desinfecção e farmácias. Uma contêiner também ficará no PV como base de estoque para os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) dos médicos.

 

Vale ressaltar que os pacientes com Covid-19 serão encaminhados ao local através de uma central de regulação. Logo, não devem procurar a unidade, mas continuar se utilizando dos postos de saúde ou UPAs, como já indicado nos planos de contingência.

 


Hospital Regional Unimed (HRU). (Foto: Divulgação - Focus.Jr/Reprodução)

 

A Unimed Fortaleza também montará hospital de campanha para atender pacientes. Quarenta e oito vagas de leitos de internação ou medicação (de acordo com a necessidade), além de uma área de triagem, estarão disponíveis para pacientes com COVID-19 no hospital. O espaço, que deve ficar pronto até 4 de abril, integra o plano de contingência da rede privada de saúde para o enfrentamento à pandemia do coronavírus.

 


Hospital Leonardo da Vinci, em Fortaleza, receberá exclusivamente pacientes com a Covid-19. (Foto: Fátima Holanda/Divulgação - G1 Ceará/Reprodução)

 

Além disso, o Hospital Leonardo da Vinci foi reativado em Fortaleza exclusivamente para o tratamento da Covid-19. A unidade de saúde será utilizada como retaguarda das unidades de atendimento, o que significa que não vai realizar atendimentos a quem procurar de forma espontânea. Os pacientes serão encaminhados por meio da Central de Regulação do Estado.

 

Fontes:

- G1 Ceará

- Focus.Jr

- G1 Rio de Janeiro

- Estado de Minas Gerais

- G1 São Paulo

- G1 Distrito Federal

- G1 Ceará


Pós-Graduação