De onde veio o futuro: uma viagem pela Feira Mundial de Chicago de 1893, um dos Clássicos da Arquitetura



De onde veio o futuro: uma viagem pela Feira Mundial de Chicago de 1893, um dos Clássicos da Arquitetura
Vista da Feira. Cortesia de Wikimedia user RillkeBot (Domínio Público) – ArchDaily/Reprodução

 

Os Estados Unidos realizaram uma admirável demonstração a si mesmo na primeira Feira Mundial, no Crystal Palace, realizada no Reino Unido em 1851. Jornais britânicos não pouparam elogios, declarando que as invenções americanas exibidas na feira eram de maior utilidade e engenhosidade comparadas a qualquer uma das outras dentro da Feira.

 

Ao contrário de vários governos europeus, que investiram ricamente em suas exibições nacionais nas exposições que se seguiram, o Congresso dos EUA hesitou em contribuir com fundos, forçando expositores a depender de patrocinadores particulares. O interesse em exposições internacionais caiu durante a sangrenta Guerra Civil, mas as coisas recuperaram-se rapidamente.

 

Na sequência do conflito, no entanto, o país poderia sediar a Exposição do Centenário da Filadélfia em 1876. Comemorando o patriotismo americano e o progresso tecnológico, a Exposição do Centenário foi um sucesso retumbante que preparou o terreno para outra grande feira americana: A Feira Mundial de 1893.

 


Um mapa da Exposição de 1893 mostra o quanto dos edifícios da feira foram definidos no eixo com o tribunal de honra. Cortesia de Wikimedia user scewing (Domínio Público) – ArchDaily/Reprodução

 

 

Como sua antecessora em 1876, a Feira de 1893 teria um duplo significado. Foi planejada como comemoração da primeira viagem de Cristóvão Colombo à América em 1492, daí o nome remetindo ao descobridor (“World’s Columbian Exposition”). Como a exposição do Centenário, a Exposição de Colombo também mostraria a capacidade industrial americana e a inovação tecnológica.

 

No entanto, a Feira de 1893 demonstraria algo que a Feira de 1876 não havia feito: os Estados Unidos não eram equivalentes tecnologicamente à Europa, mas tinham passado de um século de inferioridade cultural para estar no mesmo patamar do "Velho Mundo".

 

A cidade escolhida para acolher a Feira foi Chicago, grande centro urbano do Centro-Oeste, que floresceu exponencialmente nos anos após o incêndio em 1871. A população e o comércio da cidade, em vez de minguarem por conta do incêndio, aumentaram nos anos seguintes.

 

Era um cenário apropriado a um evento que deveria mostrar o crescimento da América e de uma coleção de colônias, em sua maioria rurais, para um poder internacional: o que havia sido uma vila em 1830 tinha, em menos de um século, tornando-se uma metrópole com uma variedade de atrações culturais.

 


Cortesia de Wikimedia user scewing (Domínio Público) – ArchDaily/Reprodução

 

Daniel Burnham, notável Arquiteto de Chicago, foi escolhido para atuar como diretor do projeto. Ao seu dispor, havia 686 hectares de terra ao longo da orla sul do lago da cidade, uma vasta área de terra que desenvolveu com a ajuda do famoso Arquiteto Paisagista Frederick Law Olmsted.

 

Uma equipe de Arquitetos de Chicago, Nova Iorque, Boston e Kansas foi reunida para produzir os edifícios individuais da Feira. Seus esforços individuais estavam unidos por um mandato estilístico: ao invés dos pavilhões de metal e vidro que caracterizaram as Feiras Mundiais desde o Crystal Palace, esta nova exposição assumiria a aparência de uma "cidade sonhadora" real e permanentemente realizada no estilo de Beaux Arts.

 


Cortesia de Wikimedia user Tuvalkin (Domínio Público) – ArchDaily/Reprodução

 

A equipe teve menos de dois anos e meio para planejar e construir sua nova cidade. Uma série de propostas, muitas das quais torres projetadas para superar a Exposição da Torre Eiffel de 1889, foram apresentadas e rejeitadas pela equipe de Burnham, que ampliou em grande medida a estética neoclássica em todo a feira.

 

A nova cidade que surgiu às margens do Lago Michigan, era uma brilhante antítese ao restante de Chicago: um conjunto ordenado de grandiosas estruturas estilisticamente harmoniosas e dispostas ao longo de um eixo axial refletido em uma série de lagoas. Toda a cena era iluminada à noite, banhando a cidade pelo brilho sobrenatural, e para os participantes, teria feito o recinto de feiras se sentir totalmente removido das cidades industriais às quais estavam acostumados.

 


O magnífico Edifício de Administração estabeleceu o padrão para todos os edifícios principais na Exposição. Cortesia de Wikimedia user RillkeBot (Domínio Público) – ArchDaily/Reprodução

 

Três entradas permitiam aos visitantes acesso ao espaço das feiras. Os pedestres poderiam entrar pela rua ou embarcar no centro de Chicago até um píer no lago da Feira. A maioria dos visitantes, no entanto, chegavam através do terminal ferroviário no extremo sul do terreno.

 

Aqueles que entravam através dos dois últimos meios encontravam pela primeira vez o monumental prédio da Administração. Projetado pelo Arquiteto Richard M. Hunt de Nova Iorque, o enorme edifício em forma de cúpula contempla os principais escritórios da Exposição. Também definiu o tom dos 14 "grandes" edifícios da Exposição, estabelecendo uma altura uniforme da cornija de 60 pés (18,25 metros) e uma estética Beaux-Arts geométrica e estucada em branco.

 


O Salão de Máquinas, ou "Palácio das Artes Mecânicas", exibiu produtos industriais americanos e serviu como a usina de energia da Cidade Branca. Cortesia de Wikimedia user RillkeBot (Domínio Público) – ArchDaily/Reprodução

 

Vários dos outros importantes edifícios da Feira apresentavam características similares ao Edifício da Administração: o Salão das Máquinas, o Edifício dos Fabricantes e das Artes Liberais, o Edifício da Eletricidade e o Edifício de Minas, que com exceção dos dois últimos, foram desenhados por escritórios diferentes.

 

No centro da cidade ideal, os Arquitetos sabiam que seus respectivos prédios exigiam uma unidade além do modelo estilístico. Com isso em mente, concordaram não apenas em combinar suas linhas de cornijas, mas por usar uma medida de 25 pés (7,6 metros) como módulo padrão para as fachadas de seus edifícios.

 


O Edifício Agrícola abriu algumas das exposições mais bizarras da Exposição, muitas das quais imagens ou objetos feitos de comida pelas nações participantes. Cortesia de Wikimedia user RillkeBot (Domínio Público) – ArchDaily/Reprodução

 

 

Ao sul do prédio administrativo, o Salão da Máquinas era, como a maioria dos vizinhos, uma fachada clássica que escondia um espaço de exposição único e repleto de exibições. Projetados pelo escritório de Boston Peabody & Stearns, os 40.459,27 metros quadrados de piso no Salão de Máquinas foram preenchidos de maravilhas tecnológicas da época, como máquinas de costura e a maior correia transportadora do mundo.

 

O salão também abriu as 43 máquinas a vapor e 127 dínamos que forneceram eletricidade para toda a Feira. McKim, Mead & White de Nova York projetaram o Salão Agrícola, apresentando equipamentos agrícolas e produtos de todo o mundo, incluindo itens tão incomuns como um mapa dos Estados Unidos feito de pepinos e um queijo de 10 toneladas vindo do Canadá.

 


A grande fábrica de artesanato e artes liberais ofuscava qualquer outra estrutura na Cidade Branca. Cortesia de Wikimedia user RillkeBot (Domínio Público) – ArchDaily/Reprodução

 

O maior edifício da Feira, de longe, foi o Edifício dos Fabricantes e das Artes. Abrangendo onze hectares, a enorme estrutura foi utilizada para exibir bens de consumo não só dos Estados Unidos, mas de todo o mundo. Entre as exposições de fabricantes das Américas, Europa e Ásia, os visitantes também podiam ver itens variados de importância histórica, incluindo móveis pertencentes ao Rei da Baviera e um espetáculo que pertencia a Mozart.

 

O Edifício dos Fabricantes e das Artes Liberais era tão grande que a fachada à beira-mar se estendeu por um terço de uma milha (0,5 km) ao longo da margem do lago Michigan.

 


Embora o próprio edifício fosse bonito, as exposições do Governo dos Estados Unidos não conseguiram atrair muitos dos visitantes da feira. Em primeiro plano, o Ho-O-Den, uma réplica do palácio japonês medieval. Cortesia de Wikimedia user RillkeBot (Domínio Público) – ArchDaily/Reprodução

 


Ao norte do Edifício de Fabricantes e Artes Liberais estava o Edifício do Governo dos EUA e o Pavilhão das Pescas. O primeiro, projetado pelo Arquiteto Supervisor do Departamento do Tesouro, J.W. Edbrooke, uma estrutura relativamente modesta contendo exibições de vários ramos do governo americano. Não foi considerado uma das melhores propostas da Feira, especialmente quando comparado ao Pavilhão das Pescas, apenas em frente à lagoa.

 

Projetado pelo próprio Henry Ives Cobb de Chicago, o Pavilhão quebrou o padrão Beaux Arts e a pintura branca dos prédios na Grande Bacia e tribunal com vitrines coloridas. O destaque para os visitantes, no entanto, foram os aquários do chão ao teto dentro do edifício, que continham centenas de espécies da vida marinha.

 


Com suas vitrines e bandeiras coloridas, o Fisheries Building se separou de seus vizinhos Beaux-Arts e ganhou a admiração de muitos visitantes. Cortesia de Wikimedia user RillkeBot (Domínio Público) – ArchDaily/Reprodução

 

 

No total, quarenta e três estados dos EUA e outros vinte e três países contribuíram para a Exposição com seus próprios prédios. Ao contrário dos edifícios principais maiores, estes eram menos propensos a serem moldados no estilo Beaux Arts.

 

Os comitês encarregados de financiar esses pavilhões também foram encarregados de projetá-los, resultando em uma coleção eclética de estilos que vão desde o Colonial espanhol no Pavilhão da Califórnia até uma reprodução da Pompeia no de Vermont. Havia até estruturas japonesas medievais na Ilha Arborizada que se erguiam do meio da lagoa relativamente naturalista de Olmsted.

 


O Midway foi uma coleção de vários ambientes temáticos e funhouses que entreteram os visitantes ao mesmo tempo que os persuadiam a gastar mais dinheiro na feira. Cortesia de Wikimedia user RillkeBot (Domínio Público) – ArchDaily/Reprodução

 


Um dos elementos mais memoráveis da Exposição teve pouco a ver com a Arquitetura Monumental: o Midway Plaisance. Embora inicialmente pretendesse ser educacional, o Midway tornou-se o centro de entretenimento da feira. Os visitantes podiam visitar reproduções de ruas do Cairo ou Viena, ver uma aldeia alemã e javanesa, ou aproveitar o museu da cera no Palácio dos Mouros. Talvez a mais famosa das comodidades do Midway fosse a primeira roda gigante do mundo, um passeio que custava o dobro do ingresso para toda a feira.


 

Acima de uma rua vienense falsa está a primeira roda gigante do mundo, uma das atrações mais populares da Exposição. Cortesia de Wikimedia user RillkeBot (Domínio Público) – ArchDaily/Reprodução

 

 

Os efeitos da Exposição Colombiana Mundial foram tanto imediatos quanto de grande alcance. A feira, carinhosamente apelidada de "A Cidade Branca", lançou as bases para o que logo se tornou conhecido como o movimento City Beautiful.

 

Inspirados pela harmonia neoclássica dos edifícios principais da Exposição, no contexto dos parques e vias navegáveis criados por Olmsted, Arquitetos como Burnham logo se propuseram a transformar o que eles viram como cidades industriais sujas e desagradáveis em sucessores elegantes e ordenadas para a Cidade Branca.

 

O movimento ganhou força não só em Chicago, mas em todo os Estados Unidos, de San Francisco, no Oeste, para Washington, DC no leste. Foi uma filosofia de projeto que capturou a imaginação de uma geração de Arquitetos e Planejadores Urbanos - um que ultrapassou as estruturas temporárias da Exposição que provaram ser o primeiro e mais bem-sucedido exemplo.

 


Cortesia de Wikimedia user RillkeBot (Domínio Público) – ArchDaily/Reprodução

 

 

Exposição de Nikola Tesla

 


(Foto: Gizmodo Brasil/Reprodução)

 

A Feira era uma excelente oportunidade para inventores mostrarem suas mais recentes ofertas. E as contribuições do lendário Nikola Tesla incluem alguns fantásticos exemplos de tecnologias que se tornaram comuns nos anos seguintes, junto com alguns gadgets divertidos que estavam apenas em demonstração.

 

Na última categoria, encontramos o Ovo de Colombo. Na anterior, o motor de corrente alternada. A presença de Tesla foi além da sua exposição. A Westinghouse, empregadora de Tesla, ganhou o contrato para iluminar toda a White City, um projeto de cidade ideal que foi apresentada na feira.

 

Então, o trabalho de Tesla – especificamente seu desenvolvimento de sistemas de energia de corrente alternada – estava virtualmente em todas as partes da Feira. Em uma biografia de Tesla de 1996, escrita por Marc Seifer, há uma explicação do que estava sendo mostrado pelo inventor:

 

A exibição de Tesla, que ocupou parte do espaço da Westinghouse, contava com diversos dispositivos de corrente alternada em fase inicial de desenvolvimento, incluindo motores, armaduras, geradores e placas fosforescentes de eletricistas notáveis, como Helmholtz, Faraday, Maxwell, Henry, e Franklin, e uma placa do poeta favorito sérvio dele, Jovan Zmaj Jovanovich. Tesla também mostrou tubos de vácuo iluminados por meio de transmissão sem fio, o seu ovo de Colombo rotatório, folhas de luz criadas por descarga de alta frequência entre duas placas de isolamento, e outros sinais de neon que mostravam “Westinghouse” e “Bem-vindo, eletricistas”. As duas últimas amostras “produziam o efeito de uma descarga atmosférica modificada… acompanhada de um barulho ensurdecedor semelhante. ” Esta foi, provavelmente, uma das mais sensacionais atrações vistas na instalação, já que o barulho poderia ser ouvido em qualquer lugar, e a luz do relâmpago era bastante brilhante. ”

 

 

O Templo Egípcio Iluminado

 


(Foto: Gizmodo Brasil/Reprodução)

 


A reprodução de um templo egípcio de 1.800 a.C foi um dos destaques da feira. Mas a Western Electric decidiu criar sua própria versão menor do templo, completando ela com luzes elétricas brilhantes.

 

A exibição da Western Electric era intencionalmente provocativa, com a mistura do velho com o novo. Imagens egípcias foram feitos para parecerem modernos, com luzes elétricas e até telefones egípcios funcionais. Como o guia da feira explica:

 

Outra grande exibição na parte de elétrica foi organizada pela Western Electric Company, de Chicago. Ela tinha três pavilhões, um deles decorado como um templo egípcio com painéis no exterior com figuras egípcias associadas a eletricidade. Há um grupo de donzelas egípcias da época de Ramsés operando um telefone, e outro grupo de homens do mesmo período enviando linhas telegráficas. O conceito é muito popular.

 

Abaixo está uma foto do interior do templo, tirada do livro The Chicago World’s Fair of 1893: A Photographic Record de Stanley Appelbaum.

 


(Foto: Gizmodo Brasil/Reprodução)

 

 

O Telautógrafo de Elisha Gray

 


(Foto: Gizmodo Brasil/Reprodução)

 


O telautógrafo foi inventado pelo Engenheiro Elétrico Elisha Gray e foi mostrado para o público pela primeira vez na Feira de 1893. A invenção foi patenteada em 1888, e devemos entendê-la como uma máquina de fax primitiva, convertendo escrita à mão em impulsos elétricos que poderiam ser enviados e reproduzidos em grandes distâncias.

 

Gray explicou o potencial para revolucionar o futuro da comunicação em uma entrevista de 1888 para a The Manufactures & Builder:

 

Com a minha invenção você pode sentar em seu escritório em Chicago, pegar uma caneta na sua mão, escrever uma mensagem para mim, e, enquanto a caneta se mexe, uma outra aqui no meu laboratório se move simultaneamente e forma as mesmas letras e palavras que você escreveu. O que você escreve em Chicago é instantaneamente reproduzido aqui em fac-simile. Você pode escrever em qualquer idioma, usar códigos ou criptogramas, não importa, a mensagem é reproduzida aqui. Se você quiser desenhar uma figura é a mesma coisa, ela é reproduzida aqui. O artista do seu jornal pode, com este dispositivo, telegrafar suas imagens do trem, ou outros repórteres podem telegrafar as descrições em palavras.

 

 

Um barulho ensurdecedor na Instalação Elétrica

 


(Foto: Gizmodo Brasil/Reprodução)

 


Uma das partes ruins de toda a tecnologia futurística apresentada na Feira deve ter sido o barulho. Segundo muitos relatos, havia um barulho ensurdecedor de máquinas na Feira de 1893.

 

Aparentemente ninguém entendeu antes da abertura da Instalação Elétrica como tanto barulho poderia ser produzido quando todas as tecnologias eram mostradas em um espaço confinado. Durante horários de pico, muitas pessoas saíram depois de alguns minutos após encontrarem o barulho das máquinas. O barulho do futuro não era para todos.

 

 

As esteiras rolantes

 


(Foto: Gizmodo Brasil/Reprodução)

 

O desenho animado Os Jetsons pode ser considerado um dos programas de TV mais importantes do século XX por ser um marco cultural sobre o futuro. E a Feira Mundial de Chicago previu uma das criações que estariam na TV quase 70 anos depois.

 

Você deve lembrar que a família Jetson era meio preguiçosa. As máquinas faziam todo o trabalho para eles, e as calçadas se moviam em todos os lugares. Mas ao contrário do que pensam pessoas que cresceram assistindo Os Jetsons e as esteiras rolantes em lugares como aeroportos, essa promessa de futuro foi feita bem antes da existência do desenho animado. Esteiras rolantes fizeram sua estreia na Feira de 1893.

 

A ilustração acima veio de uma proposta de 1890 feita por Alfred Speer para uma calçada que se move. Ele patenteou a ideia duas décadas antes, mas o seu “pavimento móvel” não veria a luz do dia até Chicago abraçar a sua causa.

 

Uma edição de 1890 da Scientific American explicou como o sistema de Speer poderia funcionar:

 

Eles precisam ser feitos de diversos pequenos vagões encadeados. A primeira linha de correias precisa rodar a uma baixa velocidade, vamos dizer, 5km/h, e a partir deste cinturão de pavimento móvel, passageiros devem entrar sem dificuldade. A próxima parte pode ser mais veloz, 10km/h, mas a sua velocidade em relação à primeira parte é de 5km/h. Cada linha separada deve ter uma velocidade diferente em relação à adjacente; e, assim, o passageiro pode, ao trocar de uma plataforma para outra, aumentar ou diminuir a sua velocidade conforme ele quiser. Os assentos eram para ser colocados em pontos convenientes das plataformas de viagem.

 

Estranhamento, poucas fotografias das esteiras móveis de 1893 ainda existem.

 


(Foto: Gizmodo Brasil/Reprodução)

 

 

Direitos iguais para mulheres

 

Quando a feira abriu em 1893, direitos igualitários para mulheres era um sonho distante. As mulheres nos Estados Unidos não podiam votar e estavam relegadas às margens da vida pública. Mas os tempos estavam mudando lentamente. Mulheres importantes falaram na Feira sobre uma série de questões, incluindo o ícone dos direitos femininos, Susan B. Anthony, a defensora da reforma dos direitos trabalhistas Florence Kelley, e a abolicionista Julia Ward Howe.

 


Julia Ward Howe (Foto: Wikipedia/Reprodução)

 

Quando a Feira Mundial de Chicago foi financiada pelo Congresso, uma parte do dinheiro foi destinado para garantir que as mulheres fossem representadas. Como Susan Wels explica em seu artigo de 2003 sobre o papel das mulheres nas Feiras Mundiais de 1893 e 1915, a tecnologia futurista era vista como uma força libertadora para muitas mulheres americanas de classe média da época.

 

Ao autorizar e financiar o conselho feminino na Feira de Chicago, o Congresso estava de fato reconhecendo o crescimento organizado e influente do papel da mulher na sociedade americana. Novas tecnologias como encanamento doméstico, enlatamento, produção comercial de gelo e máquina de costura tinham libertado as mulheres de classe média de muitas tarefas domésticas, e mais e mais mulheres entravam em faculdades e no mercado de trabalho.

 

Muitas, incluindo profissionais e mulheres de classe alta, estavam entrando em grupos de reforma social, e essas mulheres se organizaram para aumentar sua visibilidade e influência.

 

Foi durante uma série de artigos publicada pouco antes da Feira que a sufragista Mart E. Lease explicou como o futuro dos alimentos libertaria as mulheres do penoso trabalho de cozinha e limpeza. Escrevendo em um artigo que apareceu em jornais em todo o país, Lease falou o futuro da tecnologia como algo fantástico, com pílulas de refeição (ou “pequenos frascos”) que ajudariam a aliviar muitos problemas da mulher moderna:

 

A agricultura vai ser desenvolvida por eletricidade, a força motriz do futuro. A ciência vai criar a força da vida a partir da forma condensada de barro rico, ou de germes agora encontrados no coração do milho, ou o suco delicioso dos frutos. Um frasco pequeno dessa vida do seio fértil da Mãe Terra vai fornecer ao homem a subsistência para os dias, e, assim, os problemas de cozinhar serão resolvidos. O abate de animais, o apetite por carne que deixou o mundo fedendo a sangue e a humanidade bestializada, vai se tornar um dos horrores do passado. Abatedouros, açougues e gados serão convertidos em conservatórios e camas de flores.

 

Apesar da presença de mulheres importantes na Feira, ainda foram feitos alguns deslizes. O maior evento, realizado no dia 4 de julho de 1893, não teve discurso de nenhuma mulher. Em resposta, cinco mulheres da Associação Nacional do Sufrágio Feminino invadiram o programa do Dia da Independência e distribuíram cópias da Declaração dos Direitos Femininos para o responsável pelo evento. As mulheres só passaram a votar nos EUA quase três décadas depois com a ratificação da 19ª Emenda Constitucional de 1920.

 

 

O futurismo dos alimentos

 


(Foto: Gizmodo Brasil/Reprodução)

 

Algumas comidas que ainda são populares hoje em dia foram apresentadas na Exposição de 1893, incluindo alguns tipos de salgadinho, trigo desfiado e gomas de mascar. E mesmo que não tenha sido lançada na Feira, uma cerveja popular nos Estados Unidos atualmente mudou de nome graças ao evento.

 

De acordo com a Pabst, a cerveja mudou seu nome para Pabst Blue Ribbon após ser declarada a “Melhor Cerveja” da Feira de 1893. Por mais que isso seja verdade, a definição da melhor cerveja não rendeu a ela uma faixa azul.


 

Fontes:

- Gizmodo Brasil

- ArchDaily Brasil


Pós-Graduação