Maior edifício residencial da América Latina atinge último pavimento em Balneário Camboriú



Maior edifício residencial da América Latina atinge último pavimento em Balneário Camboriú
(Foto: Gazeta do Povo/Reprodução)
 

O prédio residencial mais alto da América Latina é brasileiro. O conjunto de duas torres erguido em Balneário Camboriú, em Santa Catarina, colocou o País no topo do ranking com um edifício de 81 andares e 281 metros de altura.


 

A obra de mais de R$ 200 milhões é de responsabilidade do Grupo Pasqualotto & GT, e recebe o nome de Yachthouse Residence Club. Entre os futuros moradores estão celebridades como o jogador Neymar Jr., que adquiriu a cobertura quando ainda estava na planta.


 

Em fase final de construção, ainda falta concluir os helipontos do empreendimento - que ficará no topo das torres e buscará homologação junto à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) - e colocar os vidros, além de outros acabamentos internos no prédio, que já chama a atenção pelo tamanho. A ideia é que atenda a aeronaves particulares e de emergência, para voos diurnos e noturnos.


 

Nos últimos dias, o imóvel passou por testes de pressão de vento e estabilidade e a expectativa é de que umas das torres seja entregue em dezembro de 2020.


 

Para construir o Yachthouse foram necessários cerca de 600 trabalhadores, mais de 87 mil metros cúbicos de concreto e 12 mil toneladas de aço - que compõem o design das torres assinadas pela italiana Pinifarina.


 

A fachada de todo o edifício que contará com a moderna e sofisticada pele de vidro. “Este será o momento que o edifício deixará de ser cinza e começará a ganhar novos tons. Olhando de fora será possível ver um pouco do que está previsto para o término da obra”, afirma o Engenheiro da Pasqualotto & GT, Davi Rotilli.


 

As próximas etapas ainda incluem a finalização do forro de gesso, bem como os revestimentos de acabamento, instalação de portas e pintura final.

 

Para a equipe de Engenharia do Yachthouse by Pininfarina, atingir o 81º pavimento é um grande marco, pois chancela uma das mais ousadas construções da América Latina. Para a elaboração do projeto, a Pasqualotto & GT utilizou técnicas que são referência internacional no setor, contou com os melhores profissionais do segmento mundial e com a expertise de uma consultoria especializada. “Inovar é sempre desafiador, mas quando se conta com os melhores profissionais, equipamentos de ponta e logística detalhada, o resultado são projetos exclusivos e que marcam gerações”, conclui Rotilli.


  

Elevadores mais rápidos do Brasil

 


(Foto: Gazeta do Povo/Reprodução)
 

Entre as curiosidades do prédio mais alto da América Latina, que fica localizado na nova “Dubai brasileira”, como é chamada a cidade de Balneário Camboriú, estão os 22 elevadores que custaram R$ 21 milhões e prometem ser os mais rápidos do Brasil, segundo a Atlas Schindler: em apenas 50 segundos será possível chegar do primeiro ao 78º andar.

 

Na área de lazer de 10 mil metros quadrados estão distribuídos playgrounds, bistrô, piscina e bar molhado. Quem ficar com as coberturas também poderá usufruir de dois helipontos homologados tanto para voos diurnos, como noturnos.

 

Aos interessados em adquirir um apartamento por lá - e se tornar vizinho de famosos como o jogador Luiz Gustavo e os músicos Luan Santana, Sorocaba, Alexandre Pires e Hugo Pena - será necessário desembolsar cerca de R$ 4 milhões. As unidades de 450 metros quadrados incluem quatro suítes, banheira de hidromassagem e três vagas na garagem.

  


O prédio em números

 

A magnitude do empreendimento também se traduz em números, que impressionam. Somente na fundação, que levou um ano e meio para ficar pronta foram usados 4562 caminhões de cimento.

 

Nos apartamentos, a amplitude dos espaços – com cerca de 250 m² privativos e 450 m² de área total, chama a atenção. Todas as 252 unidades terão quatro suítes, duas com closet e uma com hidromassagem, além de lavabo e dependência de empregada com banheiro.

 


Tecnologia para sustentar o maior empreendimento da América Latina



(Foto: Gazeta do Povo/Reprodução)

 

Para dar conta de erguer uma obra deste porte, sem riscos à estrutura, a construtora está empregando um procedimento inédito no sul do país, chamado de Outrigger. O objetivo deste sistema é auxiliar na redução da oscilação em edifícios altos aumentando a rigidez.

 

“É um dos dispositivos utilizados para absorver os efeitos dinâmicos na estrutura dos maiores arranha-céus”, explica o Engenheiro Civil, Davi Hanel Rotilli Junior, responsável pelo planejamento da obra.

 

Davi explica que o Outrigger consiste em um reforço na estrutura, que no caso do Yachthouse ocupou dois pavimentos, na metade do empreendimento. “Foram projetados dois pavimentos Outriggers em cada Torre, sendo que cada um deles possui volume de concreto e peso de aço equivalente a três pavimentos de apartamento. Esse montante de materiais dificultou muito a execução”, pontuou o Engenheiro.

  


Desafios da construção

 

Para números tão impressionantes, os desafios são igualmente grandes, conforme explica Davi Rotilli. “Cada etapa do Yachthouse gera um planejamento da equipe e desde a fundação tem sido assim”, pontua. Na fundação dois grandes desafios foram enfrentados pela equipe, a logística para a concretagem dos blocos e a montagem da armação, que foi composta em sua maioria por barras de diâmetro de 40mm.

 

Na parte estrutural o desafio tem sido o transporte vertical de materiais, sendo que para o aço foi utilizada uma grua em cada torre e para a concretagem foi instalado um mastro para distribuição do concreto.

 

Além dos pavimentos Outrigger, citados pelo Engenheiro, a execução da fachada do Yachthouse será outro grande desafio. “Nesta forma de execução os painéis já vêm de fábrica confeccionados com 3,24m de altura e são acoplados à estrutura do prédio através de ancoragens previamente fixadas. O maior desafio desse sistema é garantir que todos os painéis sejam distribuídos para os pavimentos e o sistema de içamento para instalação”, acrescentou Davi.

 

As instalações hidrossanitárias também requerem atenção da equipe de planejamento do empreendimento, cujo desafio maior é o bombeamento de água e garantia da pressão uniforme nos apartamentos, em todos os andares.

 


Segurança



(Foto: Gazeta do Povo/Reprodução)

 

Em uma obra deste porte a segurança ganha destaque e é um dos focos da construtora. “Precisamos garantir que os moradores se sintam e estejam seguros no Yachthouse, por isso temos diversos dispositivos não convencionais de segurança, como instalação de Sprinkler em todos os pavimentos, (componente que descarrega água quando for detectado um incêndio, por exemplo), Escada Pressurizada e Janelas de desenfumagem”.


  

Fontes:

- PN Perfil Náutico

- GaúchaZH

- NSC Total

- Economia - iG

- BC Notícias

- Jornal Página 3

  


INBEC

Pós-Graduação

Educar, formar e preparar Profissionais dentro das normativas aplicáveis ao ensino superior.